3 X 4

Sylvia,
 
Se eu fosse pessoa crente na existência do destino, atribuiria a ele a sua vinda para minha vida.
 
Quando estava às vésperas de conhecê-la, poderia acreditar em tudo, menos que seríamos, de fato, amigas.
 
Fomos apresentadas em condições convencionais na teoria, mas com poucas possibilidades de dar certo na prática. A ponte que nos conduziu uma a outra era frágil, pouco confiável.   
Mesmo assim, em curtas horas nos reconhecemos amigas e nos soubemos incrivelmente parecidas em algumas coisas e completamente díspares em outras.
 
Sylvia, as vezes eu fico aqui pensando em você, nas suas coisas, nas adversidades que bordaram sua vida e me emociono com o resultado. Você bem poderia ser pessoa amarga, difícil, insuportável – seria fácil explicar. Mas ao contrário disso, você se dispõe à vida, ao aproveitamento dos instantes que têm importância, é entregue aos amigos e enfrenta tudo com a coragem necessária para exercer a honestidade nessa selva tão injusta. Sem contar seu olhar para passarinhos, flores, paisagens e mar, muito mar (e essa coisa louca de pranchas e bicicletas!).
 
Não fui até aí para bebericarmos juntas daquele nosso uísque tão louvado, do que me arrependo até meu último fio de cabelo. Deveria ter dado um jeito e atravessado os dois estados que nos separam para abraçá-la e declarar pessoalmente a admiração que tenho por você.
 
Sei que ainda teremos muitos encontros, aqui, aí, em Santa Teresa e onde mais planejarmos, quando quisermos, assim que inventarmos. Enquanto isso, vamos trocando diariamente, entre figurinhas e oks, nossas maravilhas e indignações. 
 
É um grande presente poder contar com sua fortaleza moral e seu coração de manteiga. 
 
Ah! Nunca é tarde para falar sobre isso também: de todas as minhas amigas, você é a mais chata e encrenqueira! E é também a que conserva nas maneiras mais íntimas a educação mais polida e sofisticada. Amo!!! 
 
 

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: