faxina Arquivo

pedacinhos em riminhas pobres

na última porta do armário naquele lugar que não vejo não alcanço e não sei uma antiga lembrança. preciso das pontas dos pés dos braços estendidos do pescoço contorcido. preciso dos olhos atentos da alma lavada do olho comprido. revejo fitas, cartas, papeis descubro notas, correntes, anéis recupero fotografias, desenhos, pincéis. uma caixa cheia de vida entupida de pequenas mortes um baú de sonhos esquecidos …

vida doméstica

não sou pessoa caprichosa, prendada, rica em detalhes que transformam o lar num ambiente organizado e funcional. a desordem da minha cabeça não permite. se aqui em casa eu fosse buscar uma imagem que me representasse ipsis litteris abriria uma das portas: guarda-roupa, lugar dos potinhos de plástico, geladeira. tudo confuso e cheio de coisas inexplicáveis. é assim que sou, não me orgulho. sábado, movida …

a ciranda das coisas

passei boa parte da tarde/noite de sábado a arrumar tranqueiras em casa. um cômodo. um milhão de coisas. o quarto que foi do Dé estava se transformando numa imensa sala de jogos. Lívia e eu abríamos a porta e jogávamos tudo quanto é tipo de tranqueira ali. não havia mais condições de trânsito. nem de parada. me enchi de coragem, puxei fôlego, arregacei as mangas …

meus móveis, minha vida

ensaio a troca do sofá, poltronas, baú e mesinha da sala. todo mundo está comigo há mais ou menos uns 20 anos me acompanhando pra cima e pra baixo em diversos espaços e composições. gosto dos móveis e de como se espalham por aqui, mas gosto mais ainda de tudo que me lembram. são testemunhas da minha história. criados-mudos de outros formatos que observaram tudo …

louça de domingo

acho que há qualquer coisa de sublime na louça de domingo. diferente daquela empilhação de pratos e copos e talheres e travessas e panelas e xícaras dos vulgares e corriqueiros dias. no domingo a louça é mais elegante, tranquila, surpreendente. é a mesma dos outros seis da semana, mas o humor muda e ela representa mais. se meus pratos falassem, de segunda à sábado, diriam …

marido de aluguel

tenho um marido. ele é temporário, aparece e desaparece num estalar de dedos. cobra pelas visitas. quem me apresentou o dito cujo, em outros carnavais, foi a Renata, que também aproveita de seus serviços. nessa semana que passou, decerto inspirada pelas obras no prédio, fiz uma lista imensa de pequenas coisas que precisavam de atenção aqui em casa. a vistoria começou na área de serviço …

obra na garagem – 2

acordei com o fim do mundo, fiquei tão assustada com o furdunço que achei que a única providência era me enfiar no roupão e sair. ainda tive tempo de pensar que não seria nada bom continuar com um pé de meia amarelo e outro azul e fui procurar par gêmeo. no meio do caminho, sonada, entendi: depois de mais de dez dias parada, a obra …

fogo e água

há alguns anos tive um problema doméstico sério. minha máquina de lavar simplesmente não dava sinal. imersa num sono profundo, não cedia aos meus apelos. conversei, chacoalhei, empurrei, rezei e nada. nenhum sinal. preocupada com sua saúde e meu bem estar, chamei o técnico. como era de se esperar nesse tipo de ocasião, o tempo era de vacas magras. e de inverno. o inesquecível seu …

cimento e lágrima

obra no prédio. acontece lá nas profundezas da garagem. a impressão é que se trata de coisa aqui no apartamento. mais, aqui no quartinho. uma britadeira que não perde fôlego nem por cinco minutos batuca o chão desde as primeiras horas. pelo andar da geringonça suspeito que já alcançamos água, petróleo, viajamos por todas as camadas e agora estamos lá no núcleo interno da Terra, …

Pin It on Pinterest