mon coeur qui bat


dois dias antes de viajar, caí na pracinha em frente de casa e torci o pé. o outro. o primeiro é todo errado desde os meus 15 anos, volta e meia dá sinais de suas mágoas e revolta-se em inchaços, bobeiras e dorzinhas. 
agora, o esquerdo inventou que tem o mesmo direito e depois de um tempo de marcha, ele me cochicha na orelha que quer ficar quietinho, que gosta de se espichar pra cima, que, se quiser, pode gritar mais que o outro. 

mesmo assim não me entrego. caminho horas, quilômetros. caminho há dias. caminho sem trégua. caminho mil léguas… 
e nessa loucura desenfreada, nessa maluquice descabida é que tudo acontece. o meu movimento é o lugar onde tudo acontece. 
enfrento os quilômetros do mundo com a cabeça tão livre e o olhar tão atento pro lado de fora, que sobra espaço para que meus pensamentos e sentimentos se ajeitem – placas em baixo da terra que provocam terremotos para as calmarias futuras. 

é bom assim, eu gosto. 
quem diria que seria dentro do D’Orsay, o museu mais encantador do mundo, que me cairia a ficha sobre pendenga tão antiga que eu já nem pensava mais? 
ou que ao percorrer campos elísios e reparar tanta variedade, eu iria chegar à conclusão tão óbvia e bonita sobre minha vida?
ou, ainda, quem diria, quem diria que enquanto a maravilhosa arquitetura do sete passeava em volta de mim, eu teria ideia tão bacana?

assim, entre um arrondissement e outro, é que acontece o paradoxo mais sensacional: a alma se infla com o novo, a cabeça ferve de ideias, as retinas se carimbam com imagens, a cabeça ganha outras informações, há conhecimento se formando. e também, acontece a ressurreição e morte definitiva de antigos assuntos, o assentamento de problemas, a solução de causas e coisas, vai para o lixo o que não serve.
mas tudo assim, tipo bossa nova, muito natural. 

acho que é por isso que nem ligo, não dou ouvidos aos pés e por mais que reclamem, que digam, que pensem, que falem… deixo pra lá e sigo firme na caminhada. 
afinal, não fosse por tudo isso, estou em Paris, quem resiste caminhar por aqui?  



          

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: