happiness?

As vezes tenho pensamentos sobre a felicidade. A minha. Me batuca a cabeça se numa quinta-feira qualquer acordarei, olharei para o lado e concluirei, sem ressalvas, eu sou feliz!
É claro que já sei da inexistência de felicidade plena. O que não entendo é por que cargas d’água inventaram esse termo. Decerto para cutucar os fracos ou para incentivar a marcha em busca de coisa melhor – horizonte.
Mas, as vezes, penso se haverá época disso. E se houver, o que farei? Ficarei sendo feliz, sem preocupações, perrengues, questões? Pararei de procurar? O mundo deixará de me incomodar? Não terei interrogações nem menores nem maiores? Viverei plenamente sem nenhum tipo de incômodo?
Que coisa tediosa a felicidade plena!
Talvez seja o revezamento que faça a vida girar: acerta-se um lado, para correr atrás da solução de outro. Uma alternância entre os grandes temas maiores da vida, os assuntos que compõem a vida privada: família, amor, saúde, trabalho. E na folga entre um e outro, as coisas do mundo, minha nega: as fomes, as guerras, os desmatamentos, a política.
Quando comecei escrever esse texto engatei numa linha de pensamento. O que tinha separado como final, agora, aqui, nesse parágrafo, já não me faz mais sentido algum. 
Por hora, vou procurando o desfecho, quando o encontrar, provavelmente ele será mais um pedaço para as minhas plenitudes.
 

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: