pare, olhe, escute, olhe de novo, confira, reclame imediatamente

 

 

 

 

Os amigos mais de perto sabem como detesto shopping. De-tes-to! Frequento na medida de minha necessidade, nunca por passeio, por escolha primeira. Até a ida ao cinema foi reduzida em minhas ocupações de diversão. 
Mas vez ou outra é inevitável. Não. Até é evitável, mas causa transtorno sem fim…
Final de semana passado, cada filho tinha um compromisso diferente, horários apertados e vontade de almoçarmos juntos. No meio do caminho, o Park Shopping Barigüi.
Sábado de sol, dia bom pra pegar um restaurantinho ao ar livre, curtir uma feijuca, rodar o limão no copo e se entregar à caipirinha. Sem tempo, fomos pro shopping.
Como não tenho paciência pra procurar vaga em estacionamento lotado, usei os serviços de Vallet: rapidez, conforto, manobrista, encurtamento de trajeto. Ótimo. Será?
Me foi cobrado pela parada, 21 mangos. Tudo bem, acho justo.
Na volta pra casa, percebi o porta-moedas aberto. Além das pratinhas habituais, carrego algum dinheirinho para emergências cotidianas: quando a Lívia vai descer do carro e lembra que não tem dinheiro pro lanche, quando resolvo comprar frutas no sinal, quando paro rapidinho na padaria. Pois bem, abasteci o cofrinho um dia antes e por isso sabia tostão por tostão o tanto de graninha que tinha por lá.
Percebi que fui roubada. O palhaço do manobrista me levou vintão.
Pô! Que desaforo!
Cheguei em casa e escrevi ao shopping. Relatei, reclamei. Ontem recebi ligação de uma menina que não deveria ter mais de 15 anos a me dizer que não podiam fazer nada, que “os manobristas são treinados, senhora, para não mexer nos pertences dos carros” e que se isso acontecer de volta eu tenho que relatar no mesmo dia para que providências sejam tomadas.
Rebati e disse que comuniquei o fato meia hora depois de ocorrido. “É que o canal de comunicação não trabalha final de semana, senhora”.
Então, fica o recado: seja roubado só em dia útil!  

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: