cores austrais

sinto a despedida. o verão me acena seus últimos suspiros. essa virada de ciclo sempre me assusta e impressiona. a brisa fresquinha, o amanhecer a apontar 14 Célsius, a noite se apresentando no horário do dia.

as folhas cairão, o sol se esconderá mais rápido. e, sei, sentirei a lembrança das tardes azuis a fazer fundo na casa de madeira da minha avó com a indestrutível roseira instalada como um guardião imóvel no portão. a saudade da infância sempre me ataca nas tardes de outono.

nesse ano não estou preparada para a troca. temo. tremo. a tradução dos meus medos talvez esteja no fato de que não visitei o mar nessa estação, não me benzi e nem pulei as ondas, não fiz oferendas secretas nem senti o sal no corpo. a força que me prepara para esses tempos não foi reabastecida. bíceps fracos para carregar o peso de nova mudança.

força bruta, me despencam nos ombros a consequência do que a natureza dita. dou os primeiros passos na direção do recolhimento. noites longas, extensos pensamentos. amarelamentos, poucos nutrientes nas folhas e hora da colheita – frutos maduros no chão.

espero o outono embalada pelos movimentos de Vivaldi, tripla e tardia surpresa barroca que me comove todos os anos.

2 Comentários

  1. Luciano Martins Pomponet

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: