desde 1954

Estava sentada no Caruso, a espera de que a vida me fizesse carinho em forma de café e banoffee.
Puxei livro, que é boa companhia para guloseimas ao mesmo tempo que mantém distante as conversas que não me interessam.
Torta, moca, prosa, tempinho sem-vergonha lá fora. Não tinha jeito da vida ser melhor. Tão bom passar uns instantes num café madeirinha e saber desse prazer…
Um senhor elegante, com pinta de aristocrata falido nas posses e convincente nas maneiras, se aproximou. Deslizou oito dedos estendidos na outra cadeira que compunha o jogo inteiro da minha pátria, olhar fixo, voz de galã:
– Você já veio aqui antes, né?
Eu vou lá desde antes lá ser lá. Muitos e muitos cafés atrás, frequento o Caruso da Carlos de Carvalho, número dos primeiros da rua.
Respondi que sim, várias vezes, e segui minha vida. Ele voltou para sua ocupação original, terminou cafezinho e picou a mula. 
Eu, que há muito já não sei mais como rola um flerte, um início de conversa, fiquei espantada ao conferir que tantos anos depois, para mim e para ele, o mote da paquera ainda é “Você vem sempre aqui?”. 
 
 

3 Comentários

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: