minúsculas

gosto de pensar que um texto acontece a partir da amizade, bom senso, tolerância e complementaridade de alguns aspectos.

uma palavra pertinho da outra a fofocar sonoridade e sentido forma grande corrente; elas, as palavras, são solidárias e dependentes, se precisam, se amam e se agarram com paixão. frase.

as frases têm um tiquinho de soberba, se declaram donas das palavras. as prendem, limitam, e o que era uma comunhão espontânea acaba sendo uma prisão sem escape. para disfarçar força, elas, as frases, se colocam santas entre os dois pontos que as sustentam, se dizem sagradas, orações. as orações se enamoram uma das outras, se relacionam, se juntam em rosário. parágrafo.

no princípio, quando tudo ainda é um pouco sombra e escuridão, um parágrafo não se preocupa muito com o próximo ou o anterior. cada um com sua bandeira, sua preferência, sua religião. cada um com suas próprias orações. mas de repente eles se olham, se curtem, se percebem e também se querem. se entendem parte de um mosaico maior, peças de um mesmo quebra-cabeça, massa que carrega palavras e frases para um destino superior e faz-se a luz. texto.

quando olho para um texto, encontro todos esses laços de construção. e os acho tão certinhos, tão cheios de harmonia. não falo de conteúdo, isso é outra coisa, mas da engenharia: fundação, tijolos, paredes a formar edifício, a solidez e a boniteza que têm relação com o teor…

com isso, me pretendo engenheira e nos meus prédios têm me incomodado, tempos pra cá, a letra maiúscula no início de cada jornada. é como se eu desse poder diferente ao primeiro da fila só porque ocupa tal lugar. um destaque do acaso, uma injustiça montada, previamente determinada. no receio de que tal diferença plante inveja e as palavras iniciem rebelião para serem, a qualquer custo, donas dessa evidência, dessa referência, e comecem a se desentender, resolvi que em meus prédios, todos serão iguais. não há palavra comum, substantivo ou adjetivo, verbo ou pronome (e até os erráticos pronomes oblíquos, porque acho que eles têm direito, e as vezes dever, de começar período) que ganhe saliência gratuita.

a decisão vem da minha cabeça mesmo, do jeito que eu penso. nunca, nem uma vez, pensei com maiúsculas no início de frase. sempre simpáticas operárias em construção, em igualdade, a dar forma e sustentação ao prédio.

substantivo próprio? se explica no nome: quer saber dele mesmo e por isso não poupa esforços para o destaque. Deus dará.

maxresdefault

Nenhuma resposta

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: