sabbatum

Todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite.
Eu espero que ele se alongue e se alongue e que dure mais que suas 36 horas habituais. Não conheço o domingo que não outra forma como extensão, sobrenome, esgotamento de sábado. Seja para curar ressaca, continuar os planos, estender a viagem, terminar o trabalho, pendurar as roupas.
Gosto dessa noite, dessa data em que muitos tomam as ruas, os bares, os dancings, os restaurantes e eu me protejo e escondo, planejo e concretizo, recolhida em meu Lácio particular.
Esgoto as possibilidades da solidão e viro caminhante noturna pelos compartimentos da casa, da mente, dos suspiros.
Refaço projetos e me atiro em providências urgentes, que são variáveis e incontestáveis e inadiáveis e improrrogáveis.
A noite de aleluia é temporada de Frank Sinatra, de uso do telefone, de pedido de comida, de conversa com amigo, de Agualusa, de taça de vinho, de oração e descanso, de agricultura abundante. É a comemoração do sétimo dia, do sexto dia, de todos os dias, em que a cabeça trabalha melhor, o corpo descansa, a alma canta, o silêncio é soberano e todos os assuntos se misturam.
Salve Saturno!
 
 
 
 

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: