uma igreja, um sinal de glória

“… Não é como a vida de Paris, digo, que é a mesmíssima coisa que estar a bordo de um transatlântico qualquer. É nas cidades pequenas que a gente descobre um país, naquele tipo de conhecimento que se adquire com os dias e noites sem importância…” (James Salter em Um esporte e um passatempo)

vejo uma mesa com pintura em ouro; uma mulher de preto que desfila em francês; um sofá que custa o mesmo que um carro.

vejo a França socialista com mendigos romenos nas ruas; mulheres com burcas e bolsas que comprariam um sofá no ombro; um carro de luxo dirigido por um argelino que viaja duas horas para trabalhar.

vejo galeria grande com perfumes no ar condicionado; barraca de sanduíches com queijo nacional; um italiano rico negociando souvenir com vendedor esfarrapado.

vejo a França inclinada pro lado esquerdo; homens que trabalham na manutenção de antigo monumento que faz homenagem à separação de classes; o oriente comunista se estapeando pelo cliente do mercado capitalista; o padre que em missa fala da importância da doação de argent para Deus.

vejo uma torre, um rio e um arco; uma avenida inteira onde marcharam os exércitos do tempo, contra e a favor; as cores de um outro país; uma loja holandesa para o bem da humanidade.

vejo o mundo misturado como ele é em todas as grandes cidades que repetem a mesma experiência do tudo e do nada.

vejo a vida a se perder no consumo e virar as costas para as importâncias.
meus olhos tristes reparam, hoje, no avesso da beleza, no contrário da esquerda, na promessa sem fundo.

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: