diante do Bonfim

gosto da onda baiana. me alegra o ritmo da fala, o olhar de malícia, os gestos que dizem mais. sobretudo, me causa muito entusiasmo esse viver que parte da experiência do prazer. o contrário de onde eu vim, em que o prazer é consequência de muita penitência prévia.

a experiência de estar bem acima de tudo, de não negar o júbilo nunca, não é tarefa para qualquer um. liberdade de espírito – na Bahia tem.

entre um acarajé e uma conversa sou testemunha do diálogo de mãe e filho:

– Maínha, me dê dinheiro para lanrrause.

– Tenho não, tente outra coisa.

– Me dê dinheiro então para condução até Ondina.

– Pegue, tome aqui dez reais. Me encontre na casa de Souê às seis, viu?

e o moleque sai correndo a confabular com os amigos.

image

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: