slow motion

tenho preguiça. muita. 

não me envergonho, até acho saudável e de certa forma, prova de alguma inteligência. a preguiça me defende de encrencas, é escudo protetor de situações, primeiro degrau para o Olímpio do ócio.
é muito mansinha, chega devagar, apalpa o corpo, percorre as veias, solta o ombro, prepara para levitação.
depois sobe pra cabeça. vai apagando lentamente qualquer figurinha que transborde, despreza pensamentos démodés, não faz contas, deixa os esforços de entendimento de lado.
com a preguiça sempre rola um aviso a respeito das precisões do corpo e da mente: relaxe, descanse, se solte, se largue.
ela é quase igual a mãe preocupada que acha que o filho trabalha demais: sussurra os conselhos incompatíveis com as urgências cotidianamente inventadas por quem tem medo de fruir.
tenho preguiça e a cultivo como fatia saudável de tudo que me compõe. e porque não luto contra, ela acabou também se disciplinando e sabendo dos horários para as manifestações irrecusáveis.
a preguiça tem som de bossa nova, gosto de alcachofra, perfume de lírio, oscila entre o lilás e o azul e acaricia a pele como o algodão da camiseta mais velha e surrada do armário.
a preguiça é o meu ópio, é nela que me refugio das agruras do mundo.

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: