revolução na área de serviço

por causa de minha incompetência doméstica fui vencida no combate da área de serviço. a rainha, poderosa e essencial, proclamou independência do próprio reino. abdicou. tratou de fincar bandeira em outro rincão.

sem habilidades de convencimento, não consegui segurar a máquina de lavar!

ergueu a cabeça, fechou a tampa e foi. como último discurso, me disse, olhos nos olhos, que já havia feito muito por mim, agora era o momento de difundir sua filosofia e serviços em outra área. convocou súditos para ser carregada e partiu. ganhou mundo. levou consigo mangueira e veda-rosca.

com a primeira batalha perdida veio a necessidade de estruturar planos, traçar estratégias, organizar informações.

resolvi enfrentar o problema. abri trincheiras entre a roupa suja, construí diques com pilhas de camisetas e estilingues a partir de alças de sutiãs. declarei ao tanque que apesar da falta de proteção da máquina de lavar ele não me venceria. sou uma guerreira. força, foco, domino a arte da guerra.

a área de serviço é um campo minado. torneira, tábua de lavar, balde, bacias… (todos unidos pela inveja dos súditos que viviam felizes sob o comando da máquina) não poupam armadilhas e não têm piedade de donas de casa feito eu, filhas da modernidade.

com avental-armadura no peito, tratei de fazer os primeiros avanços. tarefa primordial, agarrei sabão em barra na mão direita, com a esquerda a torneira. mostrei sagacidade na intenção de que a água invadisse o tanque. e assim, ocupada de leste a oeste, recebi o primeiro golpe: banho, água fria, transtorno.

não soube me recompor do revés e achei que era hora de unir forças. convoquei outras donas de casa para que em voto, livre e direto, me ajudassem eleger nova rainha. não houve campanha, apenas o chamamento de emergência. cada uma delas chegou com sua própria história, experiências, ensaios, tentativas, erros e acertos.

o que poderia ter sido decidido em primeiro turno, acabou apenas elegendo três fortes candidatas: as ainda consideradas novidade no mercado, Samsung e LG e a mais tradicional, Brastemp. parece que teremos uma longa campanha pela frente. os planos de governo não estão claros: lavar?, lavar e secar em corpo único?, lavar e secar com poder compartilhado entre duas máquinas?. cada uma trata da própria causa, sem considerar o que é melhor para a área de serviço como um todo. parece que nenhuma delas tem viés estadista, com pensamento a longo prazo para considerar exigências do momento, necessidades do presente e também o melhor para o futuro.

o drama da área de serviço prossegue. donas de casa estão unidas e atentas. o tanque treme, entendeu que não se estabelecerá governante, mas mesmo assim, aterroriza os dias intermináveis de chuva fina.

– homens estão se infiltrando entre as populares donas de casa para sugerir serviços externos, lavanderias, terceirização das responsabilidades domésticas. não conseguem aliados.

 

quer comentar? não se acanhe.

Pin It on Pinterest

%d blogueiros gostam disto: